Apotegmas – Part 4

Publicado: fevereiro 2, 2012 em Diversos, Evangelho, Textos

Quando fui selecionar essas frases, continuando os pensamentos baseados nas Apotegmas, me deparei com um tema permeando sobre todas elas, provavelmente elas já foram organizadas dessa forma.

O Amor gracioso de Deus para nós, um amor que não depende dos nossos esforços, nem das nossas capacidades, afinal de contas nossa maior capacidade esta em ser pecador e falho.

“O olhar de Deus é misericordioso e compassivo, e não cobrador e crítico.”

Muitas vezes eu já me senti extremamente abatido por pressões, cobranças e criticas sobre a forma que eu deveria ser e agir, estar envolto em um padrão de regras e formas. Acabei sempre me frustrando por fugir da natureza que Deus colocou em mim. Tenho aprendido que Deus inspirou em cada um de nós determinados dons e aptidões e quase sempre elas são bem diferentes dos dons que o nosso irmão do lado tem, o nosso erro estar em achar que o amor de Deus é maior sobre nosso irmão porque ele age de determinada forma. Devemos aprender que o amor de Deus é sublime em graça e permite a liberdade de expressão natural do nosso caráter. Não precisamos ser igual ao outro pra acharmos alegria no olhar de Deus, basta que sejamos santos como Ele nos ensina e dedicados a multiplicar os talentos que ele reservou a cada um de nós.

“Dois graves erros: na luz, ter a ilusão de que não existe trevas; nas trevas, duvidar da existência da luz.”

Como seres humanos falhos que somos temos a fraqueza de nos adaptarmos a determinado ambiente, quando digo falho ser um camaleão dentro do cristianismo é algo totalmente errado. Jesus veio trazer luz a um mundo em trevas, Ele foi totalmente diferente das pessoas de sua época, tal como devemos ser. Mas Jesus também nunca foi uma “Luz” constrangedora, você nunca vê Jesus se gloriando de sua santidade, tal como devemos ser. Não sejamos mornos nesse mundo, sejamos luz para iluminar as trevas e sejamos luz para sinalizar o Reino de Deus. Nunca devemos nos esquecer de que nas trevas devemos brilhar e na luz devemos ser exemplo puro que não acusa ou constrange.

“São três os requisitos para o relacionamento humano profundo: o amor, humor e sabor (à mesa).”

Ao ler essa frase eu fui profundamente tocado, porque realmente não sou dos que expressão amor de uma forma padrão, costumo dizer que se eu trato alguém mal é porque definitivamente eu gosto dessa pessoa. Na verdade entendo o amor como um sentimento livre de paradigmas e formulas, estar junto sem palavras, ou toque pode representar amor, na verdade amor é inexplicável mas essencialmente imprescindível . Humor esta ai um requisito do qual eu anseio, mas eu acabo entendendo que Deus derramou tal como o caráter, o humor de forma peculiar a cada pessoa da criação, e isso deve ser cuidado e vivificado nos nossos dias, porque a própria criação inspira a alegria, bendito seja Deus por ser tão bem humorado e sempre nos inspirar, basta olhar a volta e perceber a graciosidade divina. Por fim o Sabor, entendo isso como o compartilhar, poder se assentar com alguém e desfrutar da companhia, da cumplicidade, do companheirismo, tal como se desfruta de um delicioso manjar. Apreciar a amizade que Deus anseia ter conosco.

“Perdão gera reconciliação, e reconciliação gera paz.”

A Bíblia nos ensina que a palavra branda desvia a irá, e para desviar a irá devemos perdoar, antes mesmo de alguém cometer uma falha. Perdão é esquecer a dor que alguém gerou no seu coração, e através disso poder novamente dar um abraço despretensioso e sem culpa em alguém, portanto voltar a ter paz. A Bíblia diz que se possível tenhamos paz com todos, a possibilidade depende da nossa vontade e da reciprocidade de outrem, se quem te feriu estiver em busca do seu perdão, o fato de você não lhe perdoar é culposo, reconciliar e ter paz é divino.

“O verdadeiro amor consiste em solidariedade com os que têm menos.”

No livro de Tiago, encontramos o versículo 27, no capitulo 1 que diz que a verdadeira religião consiste em visitar os órfãos e as viúvas nas suas necessidades, é perfeito vermos a palavra “religião” alinhada com o sentido do verdadeiro amor. Quando a Bíblia diz que Deus é amor, praticar o amor de Deus é a verdadeira religião que Ele clama à nós.

“Sob o olhar amoroso de Deus, posso admitir minhas faltas, reconhecer minhas mazelas e confessar meus pecados.”

Jesus desceu até aqui, veio a terra pra conhecer as nossas fraquezas e nossas dificuldades. Ele nunca pecou, mas sempre soube da tentação profunda que a alma humana sente a cada segundo, Ele sabe como é difícil. Só diante de alguém igual a nós podemos ser nós mesmos, sem reservas, sem amarras, livres e confessos das faltas e angustias da nossa alma dependente de um Deus amoroso.

Graça & Paz

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s