Extinto

Publicado: janeiro 13, 2011 em Diversos, Textos

 

 

 

 

 

 

 

Aos que se demoram em dar credito a isso
As historias não são boas, não é para os próprios que foi perpetrada
As aspirações não são idealizadas aos moldes que notamos
E a dissimulação não tem nada em conluio como o Altíssimo

Farto-me das veracidades que se enrustem
Como uma estuação para engolir meu refluxo
Alento-me dos disparates que ouço
Consciente que isso nunca ira bastar-me

Quanto entulho arremessado as brisas vexantes
Versos ditados como fatos, são antónimos opostos do fidedigno
Como a “Matrix”, é assim que dissimulamos estar vivos
Atrelados a um maquinismo que sorve nosso ultimo alento

Isso que é jeito de história? Pra mim: jeito de extenuação
Extingui-me no dia que asilei habituar-me a esse modo
Extingui-me numa extinção que já havia sido extinguida em meu favor
E acéfalo sentimental não consegui avistar que já jazia amparado

Graça & Paz

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s