Arquivo da categoria ‘Evangelho’

Ouro

 

 

 

 

 

Essas provações são para mostrar que a fé que vocês têm é verdadeira. Pois até o ouro, que pode ser destruído, é provado pelo fogo. Da mesma maneira, a fé que vocês têm, que vale muito mais do que o ouro, precisa ser provada para que continue firme. E assim vocês receberão aprovação, glória e honra, no dia em que Jesus Cristo for revelado.” – 1 Pedro 1.7

Não é a primeira e sei que não será a última vez em que me sinto assim, meio vazio, meio fraco, meio triste, como se as cores perdessem o contraste e o brilho meio que estivesse se esvaído, não que os dias sejam cercado de grandes provas, não que meu coração esteja em uma grande dúvida ou as circunstancias sejam graves e fizessem com que minha alma estivesse em desespero… não é um sentimento tão drástico assim, é algo bem mais perene, bem mais próximo de um estado normal de espirito, parece um pouco de cansaço pela caminhada diária, se assemelha a um apego não quisto da rotina e isso as vezes se amplifica e traz uma tristeza quase que natural.

Antigamente eu não podia aceitar na minha caminhada esses momentos de solidão, pensava que estar assim era algo realmente ruim, mas aos poucos a vida nos ensina que esses momentos são necessários e devem ter um valor na nossa jornada, são momentos de contemplação, momentos de apreciação da complexidade da vida humana, mas que também nos revela o conforto da vida em fé… Sinto que esses momentos são aqueles períodos de “dor de crescimento”, lembro de quando era adolescentes e por vezes sentir algumas dores no fêmur e meu médico dizer que era um tipo de dor de crescimento, pois os músculos e tecidos estavam sendo distendidos por conta da evolução de tamanho, como se fossem esticados, sinceramente não sei se isso tem realmente algum fundamento biológico, mas fato é que essas dores acontecem também no nosso caráter, na formação da nossa evolução como ser cristão maduro.

A Bíblia nos diz em certa passagem que “ao que muito foi dado, muito será exigido”, isso realmente é um conforto de que se estamos sendo exigidos, se está doendo é porque estamos sofrendo e sinal de que a nossa evolução ainda está em processo, que estamos crescendo e alcançando cada vez mais maturidade…

A sequência do texto de Pedro diz “a fé que vocês têm… precisa ser provada para que continue firme” – não se trata unicamente de uma questão de evolução ou crescimento pura e simplesmente, se trata de uma questão de equilíbrio, os elementos só estão “firmes” no sentido de força quando estão equilibrados, e pra isso precisamos constantemente passar por provações que nos fazem lembrar da manutenção e da convicção da nossa firmeza em Cristo Jesus!

Para estar em fé precisamos ser provados, a provação nos ensina a sermos firmes e então em algum momento da nossa história, não por mérito ou por que somos bons, mas por termos nos despojados da nossa humanidade de dúvidas e falta de crença, quando definitivamente vivermos e andarmos por fé pratica, receberemos os galardões da graça suprema, seremos aprovados, seremos honrados e glorificados naquele grande, glorioso dia em que Cristo Jesus for soberanamente revelado!

O conforto da dúvida humana é a fé no Cristo eterno!

Graça & Paz

 

Dorothy Church near Drumheller, Alberta

The old pioneer church in Dorothy, Alberta

Um pensamento sobre a igreja atual é que existem mega-ministérios e pequenas portinhas que tentam propagar o evangelho, podendo ser que venhamos a pensar que existem igrejas grandes e igrejas pequenas, assim, tento entender o que torna uma reunião de pessoas em uma igreja.

A igreja e seu culto não é formado só por um conglomerado de seres humanos, mas, principalmente, pela presença santa e soberana do Espirito Santo e da poderosa ação do nome de Jesus Cristo, e nesse lugar, em torno dessa atmosfera paira a presença santa de Deus. A presença de Deus posso dizer quem em nada mudo de tamanho com 5 pessoas em uma igrejinha ou com 5000 numa grande congregação… o grandioso Deus não muda de tamanho porque nos ajuntamos menos ou mais.

O que quero que você que me lê entenda é que uma igreja viva não depende nem um pouco da quantidade de pessoas que entram em transe espiritual ou que fazem parte de um determinado mover, uma igreja, na essência da sua essência é uma assembleia de crentes que estão unidos num proposito único de adorar e buscar a presença de Deus, e Ele, Deus, não questiona a dimensão da sua congregação em quantidade de pessoas.

A habitação do Espirito Santo começa de forma singular, no coração de cada pessoa que busca de forma dedicada a purificação da sua alma e corpo para que o Espirito Consolador faça morada perene nesse lugar dentro de cada um de nós.

Um pensamento de Tozer diz que “Deus perpetua pela repetição”. Isso me faz pensar que todos viemos de uma linha de pensamento inspirada em outra linha de pensamento que nos liga diretamente à igreja primitiva e a Jesus, somos uma mesma família por linhagem, descendência histórica e humana, por todos nós permeia um fluxo de vida que vem desde a Adão e chega no DNA de Deus, a mesma raça, com a mesma natureza, o que faz com que isso seja soberanamente uma ligação intrincada e espiritual…

Podemos não ser de uma determinada igreja, ou determinada linha de pensamento teológico, ou protestante, ou calvinista, ou seja, lá o que for… Todos temos a linhagem da vida vinda diretamente de Deus!

Nem maiores, nem menores, nem mais santos, nem mais pecadores, o importante é a misteriosa graça que permeia pelos séculos e nos une a Cristo como santos e passiveis da ação do Espirito Santo o resto são só conceitos que criamos para nos separarmos uns dos outros e consequentemente de Cristo!

“Porque, assim como o corpo é um, e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, são um só corpo, assim é Cristo também.” – 1 Coríntios 12:12

Graça & Paz

Graça Cura!

Publicado: janeiro 3, 2016 em Evangelho, Textos, Uncategorized

Na vida cristã, por vezes, nos culpamos por termos sentimentos de desilusão, duvida, até mesmo questionamentos, não nos permitimos isso… mas é algo que faz parte da nossa natureza humana, chega a ser natural! Mas a consciência da Graça de Cristo sobre nós, no fim das contas é o resgate de toda a duvida que venhamos enfrentar! A Graça cura!

Graça & Paz

Volte Amor…

Publicado: novembro 22, 2015 em Evangelho, Textos, Uncategorized

Broken Heart

É uma madrugada triste, muito triste, pois como ser humano me sinto sem norte, sem esperança, a vocação que ansiava ter se esvai como que pelos meus dedos, as notícias que chegam são ruins, não há mais sonhos bons aos meus iguais, parece-me que perdemos o melhor dom que recebemos de Deus, o dom da vida… no momento que aprendemos a tirar a vida do próximo perdemos a capacidade de viver a nossa própria vida.

“Paz na terra aos homens de boa vontade”, esse texto de Lucas 2. 14 que é parte do anuncio do nascimento de Jesus hoje é quase que um clamor desesperado e incoerente ao mundo que grita a urgência do que morre afogado nas nossas praias.

Diante da calamidade instalada no Rompimento da Represa, na Morte do Rio Doce, do “Assassinato de Paris”… me peguei absorto ao ler as expressões de pessoas que dizem “Maranata, ora vem Senhor Jesus”, … não cabe a mim julgar, muito menos dizer que esse clamor não é também um reflexo do desespero humano, mas o que mais ouço e sinto ver nessas expressões é algo que soa como aquele amigo chato que pra te provocar diz: “eu te falei que isso ia acontecer”, como que se o mundo estivesse se vingando porque a minha fé é mais fé que a de quem não segue os mesmos dogmas que eu professo. Fico estarrecido com as frases que dizem “Isso é só o princípio das dores”, concordo que na Bíblia estão inúmeras profecias que envolvem o Retorno de Cristo e dentre essas profecias existe o caminho para a calamidade e a falta de amor, é nisso que eu me vejo mais deprimido.

Antes de sentir essa ânsia pela volta do Amor (sim Deus é Amor e vou me referir a Cristo como Amor) sinto a falta absurda desse sentimento vivo na nossa existência, nossa existência que deveria ser o reflexo essencial do Amor de Cristo para com os Homens. Lembro do texto de 1 João 4.20 que diz “Ninguém pode amar a Deus, a quem não vê, se não pode amar o seu irmão, a quem vê”.

Talvez o meu ponto de vista esteja turvo pra você que embarca nesse pensamento comigo, mas como posso ansiar a vinda do Amor se não posso ao menos me enlutar com o sofrimento do meu próximo, desejo o bem à mim e a minha ida aos céus para estar ao lado do Amor, mas meu irmão está chorando lagrimas secas, porque não tem água potável para beber, meu irmão sofre pois seu filho morreu no meio de uma luta que ele não travou, a natureza é sufocada pela ganancia brutal dos infelizes exploradores… e meu crentismo vocifera “Maranata”… sério???

Me permito a tristeza, me permito o luto, me permito a lagrima, hoje o céu me parece distante, hoje os dias de paz me parecem poesia vazia, não perdi a esperança da gloria, do porvir, mas perco a fé de dias de paz no plano daqui.

Lembro de pedir em oração que eu tivesse os sonhos e desejos do coração de Deus, sinto que Ele compartilhou um pouquinho de tudo o que se passa em Seu lindo coração e infelizmente sinto que Deus está muito triste com toda a nossa passividade diante da destruição de sua mais perfeita obra: destruímos o Amor!

Olhe para nós Deus, Amor volte antes aos nossos corações… assim Maranata! Será porque pude abraçar o meu próximo e chorar junto suas lágrimas que também caem por mim!

Graça & Paz

Lembrança que Alimenta

Publicado: abril 2, 2015 em Evangelho, Textos

Passei os últimos dias pensando e tentando estabelecer uma linha de raciocínio logico dentro da minha cabeça para compartilhar algo sobre a Pascoa, mas as coisas de Deus não são logicas, muito menos simples, mas no contraponto disso vejo que tudo na vida cristã é muito prático e direto como vou tentar falar aqui.

A Pascoa Cristã remete a dois momentos na história da humanidade, primeiro na saída do povo hebreu do Egito, após 400 anos de escravidão e servidão, onde vemos numa simbologia um cordeiro sendo sacrificado para que as famílias se alimentassem para uma grande jornada no deserto e desse cordeiro também fosse usado o sangue para demarcar as casas que pertenciam ao Povo de Deus e que não deveriam ser tocadas por advento da Décima Praga que levou morto os primogênitos de todas as famílias da terra Egípcia. O segundo momento foi a morte de Jesus Cristo na cruz pra que nos fosse perdoado todos os pecados e por meio do Seu sacrifício recebêssemos a possibilidade de alcançarmos a vida eterna.

O primeiro momento da história marca o início da jornada rumo a terra prometida que havia sido perdida a 400 anos atrás, o segundo momento da história marca o início da nossa caminhada rumo as mansões celestiais e a vida eterna em comunhão com Deus, que perdemos quando fomos corrompidos pelo pecado.

Quando vi essas duas figuras automaticamente estabeleci uma conexão entre elas que me trouxe um pouco de temor:

A Bíblia nos relata que mais ou menos 600 Mil homens saíram do Egito rumo a Terra Prometida em Canaã e apenas 2 entraram 40 anos depois da jornada no deserto, apenas Josué e Calebe, aquelas pessoas que testemunharam 10 pragas destruindo o Egito, a abertura do Mar Vermelho, o Maná no Deserto, uma nuvem que protegia do calor durante o dia e uma coluna de fogo que os aquecia na noite…, desses todos apenas só 2 conseguiram entrar na terra prometida por mérito e fidelidade a Deus, até mesmo Moises não conseguiu isso, pois perdeu a paciência e veio a ferir uma rocha quando era apenas para toca-la.

A grande diferença é que entre o Egito e a Terra Prometida existia uma relação de merecimento para alcança-la, diferente da relação que temos no momento em que recebemos o perdão dos nossos pecados e iniciamos então a jornada de saída do Mundo Terreno (nosso Egito) rumo a Vida Eterna (nossa Terra Prometida) …, a Grande Diferença é que Cristo nos concedeu o livre acesso a Eternidade por meio de Sua Graça Incondicional e não por merecimento, pois jamais mereceríamos!

Nós não temos o direito de chegar lá e adentrar pelos portais celestiais, mas Cristo nos concede isso a partir do momento que o reconhecemos como Senhor soberano do nosso caminho, o que temos de simplesmente fazer é continuar fiel no caminho, não nos desviarmos do rumo aos portais celestiais, somente isso que Cristo nos pede: Fidelidade!

A lembrança da Pascoa é pra que mais uma vez glorifiquemos ao Pai por sua Maravilhosa Bondade em nos conceder a possibilidade de podermos cear para que tenhamos forças para percorrer essa jornada, celebremos a Pascoa em unidade, temor e com ansiedade pois ela é um prenuncio de como nossa alma e espirito serão eternamente saciados na festa maravilhosa que nos aguarda quando passarmos as portas dos céus e formos recebidos pelo único que é Santo e Digno de Louvor, Jesus Cristo!

Feliz Pascoa!

Equação?!

Publicado: dezembro 1, 2014 em Diversos, Evangelho, Textos

Looking at Difficult Complex Equation [146796732]

“Com um coração sincero eu te louvarei a medida que for aprendendo os teus justos ensinamentos”. – Salmos 119.7

Lendo esse texto consigo ver destacados três pontos perfeitamente simétricos e dependentes entre si, tornando-se mutuamente necessários para a manutenção de cada um. O escritor desse salmo se coloca numa posição de humildade e dedicação custosa de devoção e perseguição de um alvo maior em sua vida

Muitos de nós somos dedicados ao serviço do louvor em nossas comunidades, através da música, e por vezes, fazemos disso a razão existencial da nossa história cristã, quando o que realmente deve acontecer é que o nosso foco principal de honra seja Deus, e não algo que criamos como divino para colocar nosso coração hipócrita no centro dos holofotes, disfarçando de uma roupagem de humildade. Corremos o risco de nos perder ao fazer do nosso “louvor” uma forma de nós “crescermos e Ele diminuir”, invertendo a ordem da vida cristã ensinada na Bíblia.

O primeiro ponto que vejo equilibrando a vida cristã no salmo citado é o coração sincero. Só um coração sincero é capaz de ser integralmente devoto a Cristo com plenitude e chegar ao que vejo como o segundo ponto de equilíbrio:

Louvor! Lembro automaticamente daquele texto que diz “o pai procura adoradores que o adorem em espirito e verdade…” O louvor não é uma instituição cega e forçada, pelo menos não deveria ser assim, o louvor depende de uma sinceridade de coração, de uma cultura de vida, dia a dia, passo a passo, podemos ser subitamente tocados pelo espirito, desde que lhe demos liberdade para agir em nós, mas o louvor sincero tem uma mão única e direcionada ao trono de Deus. Logico que seremos abençoados e sentimos uma comunhão grandiosa quando cantamos e louvamos, mas o louvor não é algo dedicado ao nosso bem estar e sim a subir como oferta pura de um coração sincero, espero que você esteja percebendo comigo, como as coisas são dependentes umas das outras nessa linda equação.

Por fim o terceiro ponto e também perfeitamente equilibrado entre os outros dois esta o Aprender! Gosto muito de pensar sobre o aprendizado porque esse tema me leva a absorção de conhecimento e construção de sabedoria, algo que é sim um dom de Deus dado a nos e que devemos ter imenso apreço e carregar com temor, cuidado e responsabilidade. Engraçado perceber que o Aprender vem depois de um Coração Sincero e depois de Louvor, pra mim isso é um tanto quanto chocante porque já me peguei julgando e dizendo que devemos estar aptos a fazer a obra, mas antes da preparação, e não estou falando do que devemos estudar por obrigação e formação intelectual e técnica, devemos primeiro ter um Coração Sincero e Louvor a Deus, a partir de então conseguiremos ter uma base capaz de Aprender os justos ensinamentos de Deus.

Só tendo um Coração Sincero, que de uma forma figurativa vejo como sendo o caderno das nossas vidas, e um Louvor de Espirito e Verdade, que vejo como sendo uma caneta pela qual as mãos de Deus escreverão em nosso coração, só assim aprenderemos forjado e escrito em nós e através do Espirito os Justos Ensinamentos de uma vida de serviço, amor e zelo, independente da posição que tenhamos dentro de qualquer hierarquia humana, o mais importante é estarmos sobre todas as coisas próximos de Deus e de sua soberana e maravilhosa vontade.

Graça & Paz

Pela palavra, pela alegria

Publicado: setembro 2, 2014 em Evangelho, Textos

esperar...

O sofrimento e a ansiedade me atingem, mas os teus mandamentos me alegram.” Salmos 119.143

A palavra doce e perene do Senhor, a Bíblia, tem uma propriedade muito bela e maravilhosa, ela é capaz de nos alegrar; simples assim, a palavra de Deus pode trazer sorriso aos nossos lábios e conforto arrebatador aos nossos corações; Fico pensando em quantos livros eu li e quais deles tiveram essa admirável capacidade de ao folheá-los fazer com que eu sentisse um renovo e uma restauração que me fosse capaz de trazer lagrimas de jubilo e um aquecimento dentro da minha alma, fazendo com que o meu coração bradasse de contentamento… Sinceramente não consigo lembrar-me de nenhum, principalmente aqueles de autoajuda, que acabo concluindo ter apenas a capacidade de fazer exatamente ao contrario, com soluções momentâneas e encaixotadas que não se renovam e engessam nosso espirito.

Vem-me a mente sim, alguns livros que me renovaram em sua leitura e acalentaram a minha alma, justamente porque eles contavam a historia de pessoas que se entregaram a essa palavra de confronto, mas de paz, de desafio, mas de recompensa, de justiça, mas de amor.

A palavra santa de Jesus sempre traz a esperança, e essa esperança perdura por toda a eternidade, o que pode trazer realmente um total alívio, pois mesmo que venhamos passar por dificuldades e aflições nesse plano de vida, sabemos que um dia estaremos com Cristo e em paz por toda a eternidade.

Os sofrimentos e as ansiedades farão parte da nossa historia, mas se a historia for permeada da palavra de Deus, através de uma vida devocional dedicada, mesmo com todo o sofrimento e as tristezas que vierem nos afligir, tudo isso vai passar e teremos então a alegria verdadeira que só pode existir em Jesus… o Senhor da Alegria!

Graça & Paz